Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

José Neves - Discurso PSCamarada Presidente Almeida Santos
Camarada Secretário-Geral José Sócrates
Senhores e Senhores Convidados
Familiares de Tito de Morais
Camaradas Militantes do Partido Socialista

Constitui para mim uma grata satisfação participar nesta sessão de encerramento das Comemorações na sede nacional do Partido Socialista, pois este é sem dúvida o local apropriado, a casa política de Tito Morais, instituição de que foi impulsionador da sua criação e obreiro da sua construção.

Também é um grande privilégio compartilhar com todos os presentes este sentimento de apreço e reconhecimento pelos méritos do nosso homenageado, Tito de Morais. A presença de ilustres convidados da Comissão Executiva muito honra este momento e a quem saúdo calorosamente.

As minhas saudações de carinho aos familiares de Tito de Morais cuja presença indispensável completa o significado deste encontro.

Saúdo os camaradas Almeida Santos e José Sócrates, pois a sua participação nesta sessão abona o patrocínio e o apoio dado pelo Partido à iniciativa de homenagear a figura impar do socialista Tito de Morais.

Uma fraternal saudação de camaradagem aos militantes do Partido Socialista.

Entenderam os meus colegas da Comissão Executiva designar-me para dar o meu testemunho sobre Tito de Morais, com quem convivi e participei em acções políticas no exílio e também em Portugal. Há muito para falar sobre este meu camarada, mas vou limitar o meu depoimento ao seu período de exílio que antecedeu a criação do Partido Socialista.
Conservo bem viva na memória o meu primeiro encontro com Tito de Morais. Encontrava-me já exilado em Londres quando fui desafiado para ir a um encontro com um político da resistência de visita aquela cidade. Só sabíamos que se tratava de um membro de um grupo socialista e era patriarca de uma grande prole. Subsistia uma dúvida: Seria que se tratava de um agrupamento constituído apenas por esse cidadão e pelos seus filhos?

O encontro realizou-se no hall de um muito modesto hotel. Tito de Morais falou com clareza da situação política em Portugal, das lutas contra a ditadura e o colonialismo, e incentivou os presentes a participar nesse combate. A sua voz firme, a forma esclarecida e de grande convicção impressionou-me, fiquei rendido aos seus argumentos e manifestei-lhe a minha adesão.

Naquele momento não imaginava que estava perante um político com a sabedoria de mais de 40 anos de intensa luta pela liberdade em Portugal e que era portador de um grande sonho.

O agrupamento existia de facto. Era a Acção Socialista Portuguesa constituída em 1964, em Genebra, por Mário Soares, Tito de Morais e Ramos da Costa, A estes três socialistas se ficou a dever esta singularidade da constituição de um movimento socialista no estrangeiro que marcou uma nova etapa na luta dos militantes socialistas contra a ditadura.

E é a partir da criação da Acção Socialista que a actividade política de Tito de Morais toma um novo rumo na sua actividade política no exílio. Depois de ter passado por Angola, Brasil, e França, residia então na Argélia, onde exercia uma intensa actividade na Frente Patriota de Libertação Nacional. Mas Tito de Morais tinha um sonho e esta actividade não era suficiente.

Com o apoio do Partido Socialista de Itália Tito de Morais passou a residir em Roma, e foi a partir dessa cidade que deu largas à sua criatividade revolucionária, meteu ombros a um trabalho político sem precedentes, abrindo uma nova fase na luta contra a ditadura e criando as condições indispensáveis para a concretização do seu sonho.

Nesta fase, a actividade política de Tito de Morais desdobra-se em três áreas:
Nas relações internacionais, de que resultaram acções de solidariedade de enorme significado na luta dos socialistas em Portugal; Na difusão da mensagem socialista através da criação do jornal "Portugal Socialista", arma de luta contra a ditadura que, por meios imaginativos, chegou à casa de muitos portugueses; No recrutamento de militantes socialistas por meio de encontros com trabalhadores emigrantes em várias cidades europeias.

Com as estas acções políticas foi dado um enorme impulso ao movimento socialista e em 1973 o sonho de Tito Morais estava mais próximo da sua concretização.

Quando Manuel Alegre chegou à Argélia, Tito de Morais começou a falar-lhe da necessidade de se construir um Partido Socialista, no âmbito da luta contra a ditadura. Este era o seu grande sonho, naturalmente partilhado também por Mário Soares e Ramos da Costa e muitos outros socialistas. Mas este objectivo em Tito Morais era um pensamento permanente, "era quase uma obsessão", nas palavras de Alegre.

Também sou testemunha desta premência de Tito de Morais. Três anos antes da fundação do partido já nos dizia, na 1ª Convenção da ASP no estrangeiro, sobre a fundação do Partido: "É a hora! Ontem era demasiado cedo, amanhã será demasiado tarde". Estas palavras encerravam uma advertência, eram premonitórias da angústia que seria para o movimento socialista se o partido não tivesse sido constituído em tempo adequado.

Tito de Morais era um militante muito feliz quando no dia 19 de Abril de 1973 nos reunimos em Bad Munesterreifel, onde decidimos transformar a ASP no Partido Socialista.

Tendo tido a organização do Congresso sob sua responsabilidade, não perdeu a oportunidade de acentuar uma preocupação do seu rigor ideológico ao afirmar "...não aceitar nada que possa comprometer a construção, embora por fases sucessivas, da sociedade socialista." Um ano e poucos dias depois da fundação do Partido, Tito de Morais, ao entrar no Portugal de Abril, depois de 13 longos anos de exílio, era de novo um homem muito feliz. O seu neto Nuno Ramos de Almeida recordava-nos há dias, no lançamento da fotobiografia, que seu avô, ao regressar a Portugal no conhecido comboio da Liberdade, ao avistar na fronteira uma multidão a dar vivas à liberdade e à democracia, disse aos companheiros de viagem que podia ter morrido naquele momento que a vida já tinha feito sentido.

No regresso ao Portugal livre, Tito de Morais não se desviou do seu objectivo. Se havia sido impulsionador da fundação do Partido Socialista na clandestinidade era então o tempo de o organizar e implantar, a nível nacional, no Portugal democrático. Foi mais uma gigantesca tarefa a que meteu ombros.

Sob sua coordenação equipas percorreram o país promovendo a criação de Secções e Núcleos do PS. E aqui recordo com imensa saudade dois queridos amigos e saudosos camaradas João Tito de Morais e Catanho de Meneses que comigo faziam parte desse grupo de trabalho.

Poucos meses depois, quando se chegou ao Congresso Nacional, em Dezembro de 1974, todos os concelhos, com muito raras excepções, tinham estruturas do Partido em funcionamento. E como é hoje evidente este trabalho foi fundamental para o papel histórico que o Partido Socialista veio a desempenhar na sociedade portuguesa.

A acção deste incansável socialista foi determinante para a construção do Partido Socialista, como reconheceu Mário Soares num depoimento: "...foi devido, em grande parte, à vontade política inquebrantável de Tito de Morais que os obstáculos foram vencidos e o PS começou".

Senhoras e Senhores,
Caros Amigos e Camaradas:

Para assinalar a actividade política do Camarada Tito de Morais hoje descerrámos uma placa à sua memória no hall de entrada desta sede nacional. Foi a primeira placa dos três iniciais fundadores. É a homenagem perpétua do Partido Socialista ao resistente à ditadura que sofreu prisões e torturas, privações e exílio, sempre com o objectivo de vir a criar o Partido Socialista.

Há dois dias, no jardim adjacente a este edifício, inaugurámos o busto de Tito de Morais, outro significativo tributo agora ao homem público, promovido pelo CML, de homenagem ao seu trabalho ao serviço na comunidade como Constituinte, Deputado, membro do Governo, Vice-Presidente e Presidente da Assembleia da República e Conselheiro de Estado. Recordaremos também que estes cargos foram exercidos na fidelidade aos seus princípios, humilde, íntegro, cumprindo todas as funções com grande dignidade, sentido de Estado e de serviço á comunidade.

Vários outros momentos de homenagem tiveram lugar durante esta semana. Cumpre-me aqui agradecer a iniciativa de homenagear Tito de Morais à sua filha Carolina Tito de Morais que, agrupando alguns familiares e vários camaradas do Partido Socialista, constituiu a Comissão Executiva que promoveu estes eventos sob a coordenação de Luís Novaes Tito.

Camaradas do Partido Socialista e Amigos:
O Camarada Tito – como o tratávamos com fraterna camaradagem socialista – foi um guardião intransigente dos valores do socialismo democrático. No discurso que fez na homenagem que lhe prestamos em vida deixou-nos esta exortação: "temos que lutar por uma alternativa que se oponha à lógica ultra capitalista, ao neoliberalismo que se vai espalhando pelo mundo" e ainda "... compete aos socialistas mudar a sociedade existente e não conformar-se com ela. Exigem-se grandes reformas mas estas têm que ser socialistas, para serem verdadeiras reformas."

Depois de todas as funções oficiais, o Camarada Tito de Morais, com o seu eloquente prestígio, honrou o Partido Socialista como seu Presidente e Presidente Honorário.

Saibamos nós também honrar o seu legado prosseguido a defesa dos valores do Socialismo Democrático que ele sempre defendeu, inclusive com o risco da sua própria vida.

José Neves
2010.07.02



publicado por CCTM às 23:00
link do post | comentar |

Tito de Morais - 1974
CCTM
Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais

. . . . - HomePage -
pesquisar neste blog
 
contactos
Largo do Rato nº 2
1269-143 Lisboa
cctm@sapo.pt
cctm@ps.pt
autores
em destaque
. biografias (notas)
. - entrevista (M.José Gama)
. cctm - comissão executiva
. cctm - comissão de honra
. comunicação social/informação
. Portugal Socialista 2010
. depoimentos actuais
. depoimentos anteriores
. estórias
. exílio
. - Argélia
. - França
. - Itália
. família
. mensagens
posts recentes

Manuel Alfredo Tito de Mo...

Selagem do Blog

Audiência com o President...

Apresentação do relatório...

Relatório final das CCTM

Portugal Socialista - 201...

Portugal Socialista - Edi...

Legado, inspiração e estí...

Sempre em defesa dos valo...

Exemplo de empenho cívico

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

últimos comentários
SUA SOLUÇÃO FINANCEIRA EM 72 HORAS.Incrível, mas v...
Boa noite,Ainda tenho uma carta do Francisco R.Cos...
Boa noite, sugiro que entre em contacto com a asso...
Boa noite, estou a realizar um trabalho no âmbito ...
Só lhe peço que refira que a imagem faz parte do e...
Boa noite caro amigo,Gostaria de lhe perguntar se ...
Estou a ver na TV informacao sobre a greve. Esta g...
Tenho seguido atentamente todos os passos destas c...
Li as vossas palavras e fiquei muito contente de s...
Excelente! É uma amizade exemplar que nem a distân...
mais comentados
7 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
tags

todas as tags

links
subscrever feeds
blogs SAPO