Domingo, 28 de Fevereiro de 2010

Argel-Tito de Morais, Mª Emília, Nuno e PedroPersonalidades anti-fascistas, movimentos democráticos e o Partido Comunista Português decidiram criar, numa Convenção realizada em Roma em 1963, a Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN). Por proposta de Tito de Morais a sede da FPLN seria na Argélia, país recentemente independente e solidário com os movimentos de libertação – nomeadamente das colónias portuguesas – e a luta dos povos oprimidos. Pedro Ramos de Almeida foi, entre 1964 e 1969, o representante do PCP na FPLN. Seguiu pois para Argel com a sua família: eu e o nosso filho Nuno, de nove meses de idade.

Sem viver com o meu Pai desde os nove anos – embora passasse algumas férias com ele -, a possibilidade de podermos conviver, dele conhecer o meu filho e de estarmos na mesma luta encheu-me de alegria. Posso dizer, com verdade, que foi em Argel que o conheci melhor.

E gostei muito daquele Pai que me aparecia aos 22 anos de idade. Todo ele era ternura e solidariedade, mas ao mesmo tempo um líder, um combatente sem tréguas pela liberdade.

As nossas casas ficavam relativamente longe, mas todas as semanas íamos jantar a casa dele e aprofundar laços com os meus jovens irmãos Manuel e Luís e mais tarde com o Pedro, que nasceu em Argel.

O Pedro tem menos um ano do que o meu filho, seu sobrinho, e cheio de pressa nasceu algumas semanas antes do tempo. O meu Pai apareceu aflito em minha casa a dizer-me que a Maria Emília tinha ido para a maternidade. Numa correria, fomos os dois comprar o “enxoval” do bebé e levá-lo à maternidade. Fui eu que o vesti, lhe dei o nome e fiquei sendo sua madrinha.

Todos os dias estávamos juntos pois ele era dirigente da FPLN e eu trabalhava na sede. Eu era também locutora da “Voz da Liberdade”, a rádio da FPLN, e o meu Pai esteve na origem da sua fundação e foi o primeiro responsável por ela.

A rádio emitia duas vezes por semana, às quartas e sábados, e mais tarde também às segundas, e o meu Pai era um dos redactores. Lembro-me ainda de alguns dos seus textos – bem escritos, com uma linguagem simples e precisa.

A importância da rádio na luta anti-fascista deve ser sublinhada. Muito ouvida em Portugal, a par da Rádio Portugal Livre, dava uma informação livre de censura e mobilizava os democratas portugueses contra a ditadura e a guerra colonial. Tinha uma rubrica muito concorrida: o Correio da Voz da Liberdade. Dezenas de pessoas do interior e do exterior enviavam semanalmente cartas para o “13 rue Auber” e era normalmente Piteira Santos quem respondia. Fazia-o calorosamente e com um enorme prazer. Havia ainda outras publicações da imprensa escrita largamente difundidas. O trabalho da FPLN também foi essencial. Desde o MUD que não existia uma organização unitária tão forte, embora esta tivesse a sua actividade principal no exterior. Os membros da Junta Revolucionária Portuguesa (o órgão directivo da FPLN) deslocavam-se a vários países europeus e mesmo americanos, onde criavam núcleos de democratas aderentes, e chegaram a vir clandestinamente a Portugal. Participaram e/ou organizaram conferências internacionais sobre a situação em Portugal e aprofundaram laços com os movimentos de libertação nacional das colónias que também tinham escritórios em Argel e com os seus principais líderes.

As autoridades argelinas relacionavam-se com a FPLN considerando que esta representava o povo português e convidavam os seus dirigentes para assistir a comemorações e recepções. As representações diplomáticas acreditadas, nomeadamente as dos países socialistas, tomavam posição idêntica. Numa ocasião, em 1965, a Embaixada de Cuba convidou os responsáveis da Junta Revolucionária para uma recepção destinada a assinalar um momento muito especial: a presença de Che Guevara em Argel, que vinha participar numa conferência.

Argel foi um chão amigo para os exilados e para os desertores e refractários da guerra colonial.

Quando, em 1963, o meu Pai se instalou em Argel, mobilou a sua casa com “móveis” feitos por ele. Com a madeira dos caixotes dos seus livros, que trouxera do Brasil, construiu uma mesa e vários bancos. As camas, inicialmente, resumiam-se a colchões no chão. Era um óptimo “bricoleur” e as suas habilidades estendiam-se à cozinha e ao “corte e costura”.

Mais tarde, com o trabalho do casal – o meu Pai era engenheiro electrotécnico nos Hospitais de Argel - foi comprando outra mobília e a sua casa tinha sempre as portas abertas para todos os portugueses refugiados.

Todas as festas, como o Natal ou a passagem do Ano, eram feitas em sua casa. Sabia receber como ninguém e com ele o exílio ficava menos triste.

As nossas longas conversas, que muitas vezes duravam horas, só se repetiriam depois do 25 de Abril, quando finalmente tivemos o direito de viver em Portugal. Voltei a ter Pai aos 32 anos.

Tenho de confessar que em 75 “brigámos” bastante pelos nossos pontos de vista, nem sempre convergentes, mas isso nunca obstaculizou a nossa infinita amizade.

A separação derradeira foi em 1999, com a sua morte. Mas o seu exemplo de Homem íntegro e carinhoso, democrata e combatente pela liberdade contínua ao meu lado.

Imagem: Manuel Tito de Morais com o neto Nuno Ramos de Almeida ao colo e, ao colo de Maria Emília, o seu filho Pedro Tito de Morais



publicado por Luisa Tito de Morais às 15:20
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Domingo, 14 de Fevereiro de 2010

Família Tito de Morais A revista Refugiado (Refugee), do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), tinha, nos finais dos anos 80, uma rubrica dedicada aos “Refugiados Célebres”. Nomes como Einstein, Willy Brandt, Marlene Dietrich, Nureyef, entre outros, figuravam como refugiados que se destacaram e se tornaram símbolos reconhecidos mundialmente pelas suas intervenções nas áreas da ciência, tecnologia, cultura, política e defesa dos direitos humanos.

Tive ocasião de colaborar, activamente, no único número da revista que saiu, em português, e de convidar Mário Soares, na altura Presidente da República, para figurar como exemplo de um refugiado célebre português que sofreu a prisão, a deportação e o exílio e que veio a representar o Portugal democrático ao mais alto nível.

Quando agora quis escrever sobre o meu Pai, esta ideia veio-me à memória, porque não só continuo muito envolvida no trabalho com os refugiados e na esfera dos direitos humanos, mas também porque ele foi, de facto, um Refugiado Célebre.

Também ele foi privado de liberdade, passou o pesadelo da prisão em Portugal e em Angola, esteve exilado e impedido de entrar em países como a França, viveu com dificuldades de vária ordem, mas sempre com uma inabalável convicção que voltaria ao seu país e ajudaria a construir um Portugal melhor, mais justo e solidário em que os valores que o inspiraram da revolução francesa - Liberdade, Igualdade e Fraternidade - fossem atingidos.

E assim foi. A sua vida dedicada à política com uma perspectiva universal, o seu sentido de ética e justiça foram um exemplo para todos nós, e são respeitados ainda hoje pelos seus amigos e por muitos adversários políticos.

Fui privada do seu convívio durante muito tempo. Quando esteve em Angola, no Brasil e na Argélia era muito difícil vermo-nos. Lembro-me que tentei ir visitá-lo, e às minhas irmãs Luísa e Titinha, a Argel e fui interceptada pela PIDE em Vilar Formoso e obrigada a regressar a Portugal com o passaporte apreendido.

Já quando viveu em Roma foi diferente. Estávamos mais vezes juntos. Eu e o Jaime levávamos os nossos filhos, Carlos Miguel e Rita, muito pequenos, a visitar o Avô e a passear por Roma. Recordo como era bom sairmos à sexta-feira de Lausanne, conduzirmos durante toda a noite e chegarmos de madrugada para passar o fim-de-semana. O Pai estava à nossa espera com um grande sorriso de alívio pela viagem ter corrido bem. Em Roma, o meu irmão Manuel servia-nos de “cicerone”, e com o Luís e o Pedro percorríamos, às vezes cansados até à exaustão, locais magníficos, plenos de história e de arte, como o Coliseu, o Fórum romano, o Pantheon, as Catacumbas, a “Fontana de Trevi”, a Piazza Navona, etc. etc.

Mas o nosso “reencontro” foi depois do 25 de Abril. A reunificação familiar, que a maior parte dos refugiados de ontem e de hoje tanto anseiam, foi só possível, para nós, depois do 25 de Abril e em Portugal. A partir daí a família passou a ser também uma “prioridade” para o meu Pai.

As reuniões em família multiplicaram-se. Os jantares, ao domingo, com os filhos, genros e netos em sua casa tiveram um significado muito particular. Mais tarde, a sua casa em Terrugem foi uma porta aberta para os amigos e para a família, o que nos dava um grande conforto. Sabia que podia contar com ele sempre, que me ajudaria quando fosse necessário, que se interessava pelo meu trabalho. Embora a diversidade de opiniões imperasse muitas vezes na nossa família, o seu passado de Refugiado Célebre e o seu presente de artífice do Portugal democrático conferia-lhe um grande respeito quando falava.

(Clique aqui para ver a imagem em maior)



publicado por Teresa Tito de Morais Mendes às 18:38
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Carolina e Manuel Tito de MoraisO meu Pai foi sempre, e continua a ser, uma referência muito importante na minha vida. Desde muito jovem que o acompanhei a reuniões e manifestações políticas.

Lembro-me de um comício na Voz do Operário, onde ele discursou, e de eu ter andado a recolher fundos, com uma caixa em lata, o que não passou despercebido à PIDE.

Depois do 25 de Abril, ao ver a minha ficha na polícia, aparece lá essa informação sobre uma perigosa criança de 12 anos. Um ano mais tarde, fui com o meu Pai ao funeral de Bento de Jesus Caraça. Tenho bem presente que levava uma bandeira, enorme, no meio de milhares de pessoas que desfilavam desafiando a ditadura. A incansável luta política, o entusiasmo e a esperança num futuro em que a liberdade e a justiça imperassem foram valores que não só nortearam a sua vida como os transmitiu aos que os o rodearam.

Tinha convicções profundas, queria uma vida melhor, em que mulheres e homens tivessem as mesmas oportunidades, os mesmos direitos e deveres. Posso mesmo dizer que os seus ideais não se cingiam ao seu país, que o meu Pai amava a humanidade e pugnava pelo seu bem-estar e harmonia.

A grande generosidade e o desapego aos bens materiais faziam dele uma figura singular numa sociedade em que a riqueza e o consumo são endeusados.

Que o seu exemplo seja conhecido e seguido e que a sua luta não tenha sido em vão.



publicado por Carolina Tito de Morais às 01:29
link do post | comentar |

Terça-feira, 15 de Dezembro de 2009

A festa do fim do ano de 1973 reuniu em Lausana: Mário Soares, Maria Barroso, Manuel Alfredo Tito de Morais, Maria Emília, além da família anfitriã Teresa, Jaime e os seus filhos Carlos e Rita.

À época, Mário Soares e Tito de Morais eram dirigentes socialistas no exílio que tinham assinado, dias antes, provavelmente em Paris, um manifesto com a Direcção do PC, que apontava no caminho de uma unidade de esquerda tipo Frente Popular. O Partido Socialista Português já tinha sido constituído, em Abril desse ano, na cidade alemã de Bad Munstereifel.

Como em todas as passagens de ano era obrigatório: a abertura da garrafa de espumante, as passas e o bolo. Os votos e os desejos tinham os olhos postos no regresso a Portugal e no derrube da Ditadura. As ilusões da "primavera Marcelista” tinham chegado ao fim.

“Para o ano em Portugal”, voto repetido ao longo de tantos anos de exílio, tornou-se uma realidade.

É hoje, com saudades, que relembro esse dia e muitos outros mais passados no exílio e depois em Portugal, no convívio com o meu sogro, Manuel Alfredo Tito de Morais.

Recebido em sua casa, sempre como filho, também sempre o considerei como um segundo Pai, e é difícil falar, com imparcialidade, de um Pai.

Apesar de eu ter militado num Partido diferente do dele; recebi o seu exemplo como a herança que nos deixou a mim e à minha família, de verticalidade, honestidade, de lutador incansável pela Justiça, de defensor dos mais fracos.

Tito de Morais, nascido em berço de ouro, recebeu, como muitos naquela época, os ideais da República: Liberdade, Igualdade e Fraternidade, como primeira refeição.

Atrevo-me a dizer que foi sempre um socialista de esquerda, certamente mais influenciado pelos ideais da revolução francesa do que da revolução bolchevique, mas não era um social-democrata.

Na política ficou como o grande obreiro do partido socialista, o militante por excelência, o que punha o Partido e o combate em primeiro lugar, muitas vezes em detrimento do convívio familiar de que tanto gostava.

Nos tempos que correm distingo como um dos principais traços do seu carácter, a honestidade e diria mesmo o desinteresse completo pelo dinheiro e os bens supérfluos desta sociedade de consumo.

Pertencia àqueles homens que apesar de desempenharem altos cargos de Estado, viajavam de comboio em 2ª classe, porque não existia 3ª, que preferiam um restaurante popular, onde se comesse o bom “cozido à portuguesa”, em vez de um “requintado” que estivesse na moda.

Para o PS e para toda a esquerda portuguesa, ele deve ser o exemplo a seguir, de estar na política servindo o país, como o fez durante toda a sua longa vida.



publicado por Jaime Mendes às 19:37
link do post | comentar |

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

Hoje, que passam 10 anos sobre o falecimento do meu Pai, alguns amigos e família estiveram no cemitério de Cascais a prestar-lhe homenagem, veio-me repetidamente à memória uma história passada em Roma.

Eu estava a fazer os meus trabalhos de casa, estava na primária e tinha algumas dificuldades com os números, enganava-me sempre entre o "sessanta e o settanta" (60 e 70) isto na sala de jantar numa mesa de jogo que estava a uma ponta da sala, do outro lado, na mesa de jantar, estava o Mário Soares a escrever artigos para o “Portugal Socialista”.

O meu Pai andava de uma mesa para a outra, tal qual um professor a ajudar e corrigir um e outro… foram episódios como este que marcaram a minha vida e foi com os exemplos do meu Pai que me formei como Homem.

Recordo com muita saudade esses tempos, em que apesar da política e das dificuldades ele tinha sempre um momento para me ajudar, para estudar comigo, para conversar e me mostrar as realidades da vida.

Hoje, como há 10 anos, não pude deixar de notar, com tristeza, a ausência de Mário Soares, mas a vida é assim, não se pode fazer nada...



publicado por Pedro Tito de Morais às 19:30
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

Almirante Tito Augusto de Morais Neste primeiro post no Blog comemorativo do centenário do nascimento do meu Pai, quero deixar um pensamento para com o meu Avô que não conheci pessoalmente, mas de quem o meu Pai falava muitas vezes, lamentando que nunca lhe tinha sido prestada a devida homenagem, como figura da revolução de 1910 e como patriota que foi.

A tomada do Cruzador São Rafael e o apontar os canhões ao Palácio das Necessidades na revolução de 5 de Outubro, o seu papel como Ministro e Deputado, o seu papel como Homem da República e da Democracia, foi membro do Partido Republicano e Governador da India.

Outros dois pensamentos vão para os meus Tios: Maria Palmira Tito de Morais e Augusto Tito de Morais.

A Tia Maria Palmira, depois de se ter licenciado em Histórico-Filosóficas, em Lisboa, licenciou-se e fez mestrado em Enfermagem nos Estados Unidos, fundou o Centro de Saúde de Lisboa, foi professora na Escola Técnica de Enfermagem, tendo sido a primeira professora portuguesa a dar aulas naquele estabelecimento afastada pelo governo fascista de leccionar pela sua actividade política, nomeadamente na campanha presidencial de Norton de Matos. Saiu do país em 1951. Foi então convidada pela ONU para os quadros da OMS onde trabalhou mais de 20 anos.

O Tio Augusto especialista em medicina tropical, aos 20/30 anos foi trapezista e tinha grande orgulho nisso. Viveu em Moçambique,onde começou a carreira profissional, trabalhou com o sogro, em campanhas para a erradicação de doenças tropicais como a  bilharsiose e a malária, publicou várias obras sobre o assunto.Sai de Moçambique em 1961 depois de lhe terem sido feitas propostas impossíveis de aceitar..., vai para os EUA como bolseiro da Fundação Fullbright e aí fica até 1963. Convidado para trabalhar na Organização Mundial de Saúde trabalha em comissão de serviço em diversos países, Iraque, Indonésia, Filipinas, Cambodja. Vive na Suíça e na Suécia. Era um desenhador exímio, tem várias bandas desenhadas de sua autoria. Regressa a Portugal depois do 25 de Abril dá aulas de saúde pública e anos mais tarde conclui o doutoramento e torna-se Professor catedrático no Instituto de Medicina Tropical.


tags:

publicado por Pedro Tito de Morais às 20:53
link do post | comentar | ver comentários (7) |

Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009

Tito de Morais Conheci pouco o meu Tio Manuel Alfredo. Privei pouco com ele. Não tenho por isso nenhuma história particular para contar. Restam-me algumas memórias de encontros esporádicos em família e um sentimento de referência ou, se quiserem, de legado familiar, que cada um de nós procura manter nas suas vidas pessoais e profissionais. E é isso que julgo poderá ser interessante partilhar.

Conheci o meu Tio Manuel Alfredo tinha 12 anos. Pela mesma altura conheci a minha Tia Maria Emília, sua mulher, a maioria dos meus primos, respectivos maridos/mulheres, os filhos destes – meus primos em segundo grau, mas mais próximos de mim na idade – e a minha Tia Maria Palmira, sua irmã. O 25 de Abril de 1974 acontecera há poucos meses e tornara isso possível.

Até essa altura, a minha família paterna, era quase um mistério. Ouvia falar dos meus avós, dos meus tios e dos meus primos, mas não os conhecia. Nem me lembro de fotos que me permitissem dar caras aos nomes. Mas o mistério também não era assim tão grande. Afinal, por razões diferentes, mas de alguma forma relacionadas, conhecera os meus dois irmãos mais novos, alguns primos paternos e a minha Tia Maria da Conceição – casada em primeiras núpcias com o meu Tio Manuel – apenas dois anos antes. Em tom de brincadeira, dizíamos – e ainda dizemos – que éramos uma família de nómadas. Desencontrados. Mal sabia eu porquê.

Curiosamente, nas acções de sensibilização sobre a segurança online de crianças e jovens em que participo no âmbito do Projecto MiudosSegurosNa.Net, costumo referir a facilidade de acesso à informação e à comunicação – escrita, áudio e vídeo – como dois dos grandes benefícios das tecnologias de informação e comunicação para crianças, jovens e adultos. Houvesse Internet e, estou certo, teria conhecido o meu Tio Manuel e a minha família paterna mais cedo. E, estou certo, que foi por isso também que o meu Tio Manuel Alfredo lutou. Para que pais, filhos, netos, avós, tios, sobrinhos e primos, não fossem forçados a viver longe das suas famílias, por delitos de opinião.

À luz disto, talvez para mim, o legado do meu Tio Manuel e da minha família paterna seja este. Que tão importante quanto a protecção e a segurança de crianças e jovens, seja a protecção e a promoção da liberdade de expressão. Na Internet e fora dela. E que nunca uma deverá por em causa a outra.

A terminar, não posso deixar de referir que, nas minhas deambulações pelo país no âmbito do Projecto MiudosSegurosNa.Net, é habitual vir alguém ter comigo e perguntar-me timidamente: "O seu nome é-me familiar. Por acaso, é familiar do Tito de Morais, do Partido Socialista?". Ao que timidamente, respondo sempre com orgulho: "Sim, sou sobrinho. Era irmão do meu Pai". Por vezes, depois desta curta apresentação, lá vem uma história. Mais uma história que me permite conhecer um pouco melhor o meu Tio Manuel. Histórias e depoimentos como os quem têm sido partilhados neste blogue e que me estão a permitir conhecê-lo melhor. E dar a conhecê-lo aos meus filhos. Obrigado por isso.

Tito de Morais

(recebido por email em 2009.12.02)



publicado por CCTM às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Luísa Tito de MoraisChegava a casa sempre ao final da tarde e sentava-se na sala a ler o jornal. Eu, com cinco ou seis anos, pulava para as costas do maple e penteava-o: risca ao lado, risca ao meio, trancinhas… tudo o que conseguia fazer no seu cabelo curto. À noite, depois do jantar, na hora do café, saltava-lhe para os joelhos, numa competição com a minha irmã mais nova.

Lembro-me ainda quando ele passeava, aos sábados à noite, ao longo do comprido corredor da casa, o mesmo corredor onde os meus irmãos mais velhos subiam – braço e pé de um lado, braço e pé de outro – quando jogavam à cabra-cega, o que tanto me fascinava. Ele andava com passo lento, as mãos nos bolsos, enquanto esperava a Mãe que se arranjava para irem ao cinema.

Mas de todas as lembranças, a mais forte, talvez, é a de uns senhores, que eu não conhecia, que de vez em quando iam lá a casa à noite. Entravam directamente para a sala de jantar, um após o outro, e ficavam a conversar horas a fio. Nós, os filhos, não podíamos ir para o corredor, nem fazer barulho. Mais tarde, quando ele foi preso, soube que eram reuniões políticas e que todos queriam um mundo melhor.

Encontrei alguns deles na sala de visitas da prisão do Aljube quando o ia ver. Eu andava a passear de colo em colo, pois achavam graça àquela menina pequenina e davam-lhe algumas guloseimas que acabavam de receber das famílias.

Mas o que seria isso de um mundo melhor? Comecei a observar com mais atenção o que se passava à minha volta. Tínhamos saído há pouco tempo da II Guerra Mundial. Portugal, que se dizia neutro, não sofreu muito com o conflito, mas, num esforço de memória, consegui lembrar-me que adoçava o leite com rebuçados, por causa do racionamento do açúcar. Dos horrores da guerra só me viria a aperceber mais tarde, quando comecei a estudar, a ler livros, a ver filmes, a ouvir testemunhos sobre os judeus, campos de concentração, tortura, morte, violações, cidades destruídas.

Então, jurei a mim mesma que também não seria apenas espectadora.



publicado por Luisa Tito de Morais às 12:52
link do post | comentar |

Isabel TitoNão vou falar do avô Manuel como político, pois há alguém com certeza muito mais habilitado do que eu para o fazer, apesar da sua vida privada nunca se poder dissociar da política.

Porque o avô sempre foi um teimoso lutador naquilo em que acreditava. Era um homem determinado e empreendedor e que por detrás dos seus lindos olhos verdes água tinha um prazer enorme em receber em sua casa toda a família e amigos. Havia sempre lugar para mais um. Tanto na sua casa de Lisboa, como na Malveira da Serra e mais tarde na Terrugem.

Depois das refeições ninguém lhe tirava o seu whisky e o cigarro e a seguir por vezes desaparecia da confusão habitual dos Titos, uma família tipicamente italiana com o sangue na guelra e onde também as mulheres desta família (desculpem-me os homens) tinham um papel preponderante e, se refugiasse ora no seu escritório (em Lisboa) ou na sua oficina de engenhocas (na Terrugem) que tanto prazer lhe dava.

Devido à sua personalidade vincada quis comemorar os seus 79 anos (e não os 80) numa grande festa familiar e rodeado de muitos amigos.

Alguns de nós herdámos os seus olhos, a cor do cabelo, a voz, a sua teimosia, mas julgo que todos herdámos os seus princípios e o respeito pelo próximo.

Isabel

(recebido por email em 2009.12.01)



publicado por CCTM às 02:00
link do post | comentar |


Tito de Morais - 1974
CCTM
Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais

. . . . - HomePage -
pesquisar neste blog
 
contactos
Largo do Rato nº 2
1269-143 Lisboa
cctm@sapo.pt
cctm@ps.pt
autores
em destaque
. biografias (notas)
. - entrevista (M.José Gama)
. cctm - comissão executiva
. cctm - comissão de honra
. comunicação social/informação
. Portugal Socialista 2010
. depoimentos actuais
. depoimentos anteriores
. estórias
. exílio
. - Argélia
. - França
. - Itália
. família
. mensagens
posts recentes

Com imensa alegria

Refugiado célebre

Uma bandeira contra a dit...

P'ró ano em Portugal!

Lembranças

Homenagem

O meu Tio Manuel

Os primeiros rebuçados pa...

O avô Manuel

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

últimos comentários
SUA SOLUÇÃO FINANCEIRA EM 72 HORAS.Incrível, mas v...
Boa noite,Ainda tenho uma carta do Francisco R.Cos...
Boa noite, sugiro que entre em contacto com a asso...
Boa noite, estou a realizar um trabalho no âmbito ...
Só lhe peço que refira que a imagem faz parte do e...
Boa noite caro amigo,Gostaria de lhe perguntar se ...
Estou a ver na TV informacao sobre a greve. Esta g...
Tenho seguido atentamente todos os passos destas c...
Li as vossas palavras e fiquei muito contente de s...
Excelente! É uma amizade exemplar que nem a distân...
mais comentados
7 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
1 comentário
tags

todas as tags

links
subscrever feeds
blogs SAPO