Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CCTM

Comemorações do Centenário de Manuel Tito de Morais

29
Jul10

Selagem do Blog

Luis Novaes Tito

 

O todo é maior que a soma das partes.
Max Wertheimer

 

Com a conclusão dos trabalhos da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais sela-se também este Blog que fica como repositório de informação sobre Manuel Alfredo Tito de Morais.

 

A informação nele contida é de utilização livre, pedindo-se unicamente a referência da fonte. (http://titomorais.blogs.sapo.pt)

 

Forte e fraternal abraço.
Luís Novaes Tito

 

 

 

28
Jul10

Audiência com o Presidente da República

Luis Novaes Tito

Audiência com o Presidente da República

 

Uma delegação da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais composta pela sua Presidente, Carolina Tito de Morais, pelo Coordenador Nacional, Luís Novaes Tito, e por José Neves foi recebida ontem, dia 28 de Julho, pelo Presidente da República a quem apresentou o relatório final das CCTM (publicado de seguida) e agradeceu a anuência de Cavaco Silva para ter presidido à Comissão de Honra das comemorações.

Tratou-se de um encontro de grande cordialidade onde se realçou, nas palavras do Presidente, "a importância de não deixar na História lapsos de tempo e de relevo para memória futura". Por parte da Comissão Executiva ficou a mensagem de que a homenagem nacional, promovida por iniciativa de um grupo de cidadãos, familiares e amigos de Tito de Morais, foi também um momento de evocação da ética e dos princípios que sempre deverão estar presentes no espírito de quem assume, em democracia, a condução política da Nação.

A CE foi acolhida no Palácio de Belém por António Araújo, Assessor para os Assuntos Políticos do PR, que igualmente acompanhou a audiência.

28
Jul10

Apresentação do relatório final ao Presidente da República

Luis Novaes Tito

 

No dia 28 de Julho de 2010 uma delegação da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais composta por Carolina Tito de Morais (Presidente da CE), Luís Novaes Tito (coordenador da CE) e José Neves foi recebida pelo Presidente da República, que também foi o Presidente da Comissão de Honra das CCTM, a quem agredeceu e apresentou o relatório final da concretização das Comemorações.

28
Jul10

Relatório final das CCTM

Luis Novaes Tito

 

Relatório do Coordenador da Comissão Executiva
das
Comemorações do Centenário de Tito de Morais

Aprovado por unanimidade e aclamação
2010.07.14

 

Preâmbulo
Com este relatório pretende-se fazer um resumo sucinto das actividades desenvolvidas por esta Comissão Executiva (CE) e deixar registo que encerre as suas actividades. Depois de aprovado na reunião da CE a realizar no dia 14 de Julho de 2010 deverá ser divulgado. Propõe-se que seja dado conhecimento deste relatório e do documento “Organização e Objectivos” da Comissão Executiva das CCTM ao Presidente da Comissão de Honra e aos principais intervenientes nas acções que foram implementadas.

Enquadramento
No segundo semestre de 2008, a filha mais velha de Manuel Alfredo Tito de Morais, Maria Carolina Tito de Morais Oliveira, começou a reunir familiares e amigos a quem transmitiu a ideia de promover, em 2010, uma homenagem nacional a seu pai por ocasião do centenário do seu nascimento e nessa altura constituir uma fundação ou associação que abarcasse não só a memória de Manuel Alfredo, mas também a de Tito Augusto de Morais, seu pai, e as de Maria Palmira e Augusto Tito de Morais, seus irmãos.

Lançada a ideia e constituído o grupo pró-comissão executiva, iniciaram-se diversos encontros em casa de Maria Carolina que, de forma informal, estabeleceram como objectivos gerais, entre outros, a criação de uma Comissão Executiva, de uma Comissão de Honra, de uma fundação ou associação Tito de Morais, de uma homenagem nacional na Assembleia da República, do descerramento de uma obra de arte pública no município de Lisboa que evocasse Manuel Tito de Morais e da construção e edição de uma fotobiografia.

A inexistência de fundos para realizar estas acções e a composição deste grupo ad-hoc integrado por cidadãos em regime de voluntariado, muitos só com disponibilidade pós-laboral, determinou que se constituísse uma Comissão Executiva coordenada centralmente mas composta de núcleos executivos com responsabilidade directa na consecução de cada um dos objectivos (Grupos de Trabalho) organizados e coordenados por um responsável e supervisionados por um coordenador-geral, que responderiam perante o plenário da Comissão Executiva. Para além destes GTs, todas as componentes de monitorização, de organização e de administração ficaram a cargo da CE composta pela presidente, pelo coordenador-geral, pela comissão de finanças e por todos os membros que constituíram os GTs.

Dado a ligação histórica do homenageado à fundação e organização da ASP e depois do Partido Socialista, estabeleceram-se contactos privilegiados com o Secretariado Nacional do PS com o intuito de fixar a sede da CE na Sede Nacional do Partido Socialista e fazer do PS o seu primeiro e mais importante parceiro.

A partir daí e conseguido o apoio logístico do Partido Socialista, desenvolveram-se os contactos fundamentais para promover o envolvimento de pessoas, organizações públicas e entidades privadas que garantissem a concretização do projecto. Obtido o assentimento genérico de Jaime Gama, Presidente da Assembleia da República (AR), António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), de António Almeida Santos, Presidente do Partido Socialista (PS) e de Mário Soares, Presidente da Fundação Mário Soares (FMS) iniciou-se o planeamento e programação das acções. O escultor Jorge Melício, membro fundador da CE, apresentou a maqueta do seu projecto de arte pública que mais tarde veio a retirar por dificuldades de negociação com a CML. Perante isto a CE convidou o escultor Francisco Simões que, tendo de imediato aceite, acabou por concretizar a construção do busto de Tito de Morais.

Das diversas propostas de editores para a elaboração da fotobiografia, o Partido Socialista seleccionou a editora Guerra e Paz, tendo ficado acordado que adquiria 600 exemplares do livro, condição da editora para produzir a obra cujos conteúdos foram da responsabilidade integral da Comissão Executiva que entretanto já estava a trabalhar em pleno para concretização dos objectivos que tinha estabelecido.

Já no decurso do planeamento das acções pela Comissão Executiva foi decidido criar um Blog da Comissão Executiva para registo e divulgação das CCTM, com replicações para as redes sociais. Foi igualmente decidido solicitar à RTP a produção de um documentário sobre a vida de Tito de Morais e uma acção no Grande Oriente Lusitano.

Destaques no decurso dos trabalhos:
O falecimento de Raquel Reis (membro fundadora da CE)
A anuência do Senhor Presidente da República para presidir à Comissão de Honra e a anuência do Senhor Presidente da Assembleia da República, do Senhor Primeiro-Ministro e de todos os Presidentes dos Tribunais para integrarem a CH, facto que deu a estas CCTM a relevância de Comemorações Nacionais.

Contas
Ficam anexas a este relatório, as contas apresentadas pela Comissão de Finanças. A realização dos nossos trabalhos não obrigou à manipulação de qualquer monetário. As acções desenvolvidas foram directamente pagas pelas diversas entidades que promoveram os eventos a quem lhes prestou serviços. A impressão do catálogo-programa da autoria da CE constituiu um donativo sem quaisquer contrapartidas.

Material produzido:

Pela CE:
A fotobiografia de Manuel Tito de Morais;
O marcador do livro da fotobiografia;
O desdobrável-tríptico destinado às estruturas do Partido Socialista (com a colaboração gráfica da Fundação Junção do Bem e gráfica e tipográfica do Partido Socialista);
O catálogo-programa das CCTM (com a colaboração gráfica de Martins Lemos, Ldª e tipográfica de a Triunfadora);
O Blog da CE das CCTM (http://titomorais.blogs.sapo.pt) da autoria e administração e manutenção técnica do coordenador da CE das CCTM; 
O mural e eventos nas Redes Sociais (Facebook, Twitter e Plaxo); e
Os Estatutos da Associação Tito de Morais.

Pela AR:
A brochura biográfica de Tito de Morais;
Os convites para o descerramento da placa comemorativa da casa de Lisboa de Tito de Morais e para a sessão de Homenagem na Assembleia da República.

Pela CML:
O busto em bronze de autoria de Francisco Simões e a respectiva base em pedra;
Os convites para a sessão de abertura das CCTM no Palácio Galveias e para o descerramento do busto de Tito de Morais. 

Pelos CTT:
O postal-inteiro comemorativo do Centenário do Nascimento de Tito de Morais.

Pela FMS:
Os diversos painéis para a exposição fotográfica patente na sessão na FMS; 
Os convites para a sessão realizada na FMS.

Pelo GOL:
Os convites para a sessão realizada no Grande Oriente Lusitano.

Pela RTP:O documentário “Manuel Tito de Morais – Antes Quebrar que Torcer” produzido e realizado pela Panavídeo. 

Pelo PS
Edição Especial Comemorativa do Portugal Socialista (os convites aos autores dos depoimentos e a recolha, revisão e alinhamento dos textos foi da responsabilidade da CE);
Edição e publicação no Acção Socialista de diversos artigos sobre as actividades da CE, mobilização das estruturas do PS, divulgação do Voto de Homenagem a ser aprovado pelas diversas estruturas do PS, cobertura da Conferência de Imprensa e cobertura de diversos eventos no âmbito da semana de comemorações;
A placa evocativa de Tito de Morais, em liga metálica, afixada na entrada da Sede Nacional;
Os Roll Up usados em diversos eventos das CCTM;
A impressão do desdobrável-tríptico;
A impressão de cartões, papel timbrado e envelopes da CE;
Os convites para a sessão realizada na Sede Nacional.

Eventos produzidos:

• Lançamento da fotobiografia na Livraria Bertrand do Chiado. - Oradores: Teresa Loureiro, Guilherme d’Oliveira Martins e Nuno Tito de Morais Ramos de Almeida. - Assistência diversificada composta por muitos membros da Comissão de Honra e todos da Comissão Executiva, pelo Presidente do PS, personalidades ligadas à cultura, convidados e cidadãos em geral.
• Passagem do documentário "Antes quebrar que torcer" numa produção da Panavídeo para a RTP2 (e RTPi).
Sessão de abertura das CCTM no Palácio Galveias (cedência gratuita do edifício municipal pela CML). - Oradores: Catarina Vaz Pinto, Luís Novaes Tito, Pedro Coelho, Teresa Loureiro, Fernando Rosas e Teresa Tito de Morais Mendes. - Funcionou uma banca de venda da fotobiografia (da responsabilidade da editora). - Foi servido um porto de honra nos jardins do palácio. - Assistência diversificada com destaque para a Embaixadora da Argélia;
Descerramento da placa comemorativa na casa de Lisboa onde viveu Tito de Morais, uma acção conjunta da Assembleia da República e da Associação dos ex-deputados da Assembleia da República (AEDAR). - Oradores: Luís Barbosa, Manuel Tito de Morais Oliveira e Jaime Gama. -Descerramento com a Bandeira Nacional. - Assistência composta por deputados e ex-deputados da AR, Presidente do PS, elementos da CE e da CH, convidados e cidadãos em geral.
Emissão do postal-inteiro, uma acção conjunta dos Correios e Telecomunicações de Portugal (CTT) e da AR. - Oradores: Pedro Coelho e Carolina Tito de Morais. - Aposição por Jaime Gama, Pedro Coelho e Carolina Tito de Morais do carimbo comemorativo em diversos exemplares. - Assistência composta por deputados e ex-deputados da AR, representantes dos Grupos Parlamentares, Ministro dos Assuntos Parlamentares, representantes do Poder Judicial, representantes das Centrais Sindicais, das Confederações Patronais e das diversas Ordens profissionais, elementos da CE e da CH das CCTM, convidados e cidadãos em geral.
Sessão de homenagem nacional da Assembleia da República. - Oradores: Luís Barbosa (AEDAR), Domingos Abrantes (PCP), Fernando Rosas (BE), Narana Coissoró (CDS), Mota Amaral (PSD), Maria de Belém Roseira (PS), Carolina Tito de Morais (CE) e Jaime Gama (PAR). - A sessão decorreu na biblioteca da AR. - Esteve patente uma pequena exposição/mostra de documentação e imagem produzida no período em que Tito de Morais foi Presidente da AR. - Foi distribuída a brochura biográfica produzida pelos Serviços da Assembleia da República. - Foi servido um “porto de honra”. - Assistência composta por deputados e ex-deputados da AR, representantes dos Grupos Parlamentares, Ministro dos Assuntos Parlamentares, representantes do Poder Judicial, representantes das Centrais Sindicais e do Sindicato dos Jornalistas, das Confederações Patronais e de diversas Ordens Profissionais, elementos da CE e da CH das CCTM, convidados e cidadãos em geral.
Descerramento do busto de Tito de Morais pela Câmara Municipal de Lisboa. - O busto em bronze assente em base de pedra ficou implementado no jardim público na confluência da Rua das Amoreiras com a Dom João V, ao Largo do Rato. - Foi descerrado pelo Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa e pelos filhos de Tito de Morais. - Foi tocado o Hino Maria da Fonte. - Oradores: Francisco Simões (escultor), Manuel Tito de Morais, Manuel Alegre e António Costa. - Assistência composta por muitos vereadores da Câmara Municipal de Lisboa, pelo Presidente e membros do Secretariado Nacional do PS, deputados da AR, elementos da CE e da CH das CCTM, convidados e cidadãos em geral, entre eles muitos munícipes de Lisboa.
Sessão de Homenagem no Grande Oriente Lusitano. - Oradores: Luís Medeiros Ferreira, José Paulo da Silva Graça, Amândio Silva, Manuel Tito de Morais Oliveira e António Reis. - Sessão Branca. - Visita ao Museu Maçónico. - Assistência composta por elementos da CE, por familiares de Tito de Morais e por convidados do GOL.
Escritura da Associação Tito de Morais. - Apresentação e escritura dos Estatutos da Associação o Acto notarial. - Assistência composta por elementos da CE, por familiares de Tito de Morais e pelos fundadores da Associação.
Sessão histórica na Fundação Mário Soares. - Oradores: Mário Soares, Medeiros Ferreira, Pezarat Correia e Isabel Tito de Morais Correia Pires. - A sessão decorreu no auditório da FMS. - Esteve patente uma pequena exposição fotográfica e documental promovida pela Fundação. - Foi servido um "porto de honra". -  Assistência diversificada composta por deputados, elementos da CE e da CH das CCTM, convidados da FMS e cidadãos em geral.
Homenagem da Comissão Executiva e do Partido Socialista. - Deposição de flores junto ao busto de Tito de Morais.
Sessão de encerramento das CCTM no Palácio Praia – Sede Nacional do Partido Socialista. - Descerramento de uma placa comemorativa na entrada da Sede Nacional do PS. - Descerramento com a Bandeira do Partido Socialista. - Tocou o Hino Oficial do Partido Socialista. - Sessão evocativa nos jardins do palácio. - Oradores: José Sócrates, José Neves, Carolina Tito de Morais e António de Almeida Santos. - Lançamento e distribuição do número especial do Portugal Socialista. - Tocou e cantou-se o Hino Nacional. - Funcionou uma banca de venda da fotobiografia (da responsabilidade da editora). - Foi servido um “porto de honra” nos jardins do palácio. - Assistência composta essencialmente pela direcção do Partido Socialista, fundadores do PS, elementos da CE e da CH das CCTM, membros dos órgãos distritais e concelhios e por militantes do PS.

 

Acervo entregue à Associação Tito de Morais:
- Dois exemplares da Fotobiografia da autoria da Comissão Executiva das CCTM editada pela Guerra e Paz. - Diversos exemplares do marcador de Livros da fotobiografia. - Um exemplar da brochura biográfica produzida pela Assembleia da República. - Diversos exemplares do catálogo-programa da autoria da CE das CCTM. - Diversos exemplares do desdobrável-tríptico da autoria da CE das CCTM. - Dois exemplares da edição especial comemorativa do Portugal Socialista.  Dois exemplares do postal-inteiro com carimbo do dia dos CTT/Assembleia da República. - Um poster do roll-up das CCTM. - Listagem final da Comissão de Honra. - Correspondência recebida e produzida no decurso dos trabalhos das CCTM. - O presente relatório. - O relatório de contas da CE. -Documento "Organização e Objectivos" da CE das CCTM. - Texto base da fotobiografia. - Cartas convite para a Comissão de Honra, Listagem de membros e colectânea de respostas. - Carta convite para depoimentos no Portugal Socialista, Listagem de convidados e colectânea de textos recebidos. - Carta convite e Voto de Homenagem enviados a todas as estruturas do PS, listagem e colectânea de respostas. - Listagem dos convidados da Comissão Executiva.

 

Recomendações à Associação Tito de Morais:
A ATM deverá recolher e compilar todos os registos efectuados no decurso das CCTM, em todos os suportes, como por exemplo, o documentário "Antes quebrar do que torcer", os filmes promocionais produzidos, os registos multimédia e fotográficos da AR, CML, PS, FMS, depoimentos e discursos dos diversos interventores e todo o registo feito no Blog da Comissão Executiva. Deverá ainda solicitar ao Partido Socialista uma colecção do Acção Socialista composta pelas edições deste jornal no período entre 2008 e o final de 2010.

 

São referências deste relatório:
- As Actas da Comissão Executiva, que tiveram como relatora até ao seu falecimento Raquel Reis, e posteriormente Luísa Tito de Morais e, nas suas faltas, Teresa Tito de Morais Mendes. - O documento “Organização e Objectivos” da CE das CCTM. - O catálogo-programa das comemorações. - O texto da carta-convite para a Comissão de Honra. - O texto da carta-convite para depoimentos no Portugal Socialista. - A carta convite para aprovação do Voto de Homenagem.

 

Nota final

Só com o civismo e o esforço desinteressado desta Comissão Executiva foi possível realizar um tão grande e importante número de acções. Só com o envolvimento das entidades e personalidades que anuíram à Comissão de Honra com destaque para o Senhor Presidente da República, Prof. Dr. Aníbal Cavaco Silva, que a presidiu, se permitiu dar impacto nacional às CCTM. Só com a participação activa do Presidente do PS, Dr. António de Almeida Santos, tanto nos trabalhos da CE como nos actos por ela promovidos, foi possível levar as acções do PS a bom-porto. Só com a boa-vontade e colaboração dos diversos promotores intervenientes foi conseguido o sucesso da homenagem que nos propusemos fazer a Manuel Alfredo Tito de Morais. Só com o envolvimento dos nossos convidados, convidados dos promotores e cidadãos em geral, foram atingidos os objectivos planeados.

É a própria Nação que está de parabéns por ter conseguido concretizar a justa homenagem que Tito de Morais merecia e através dela se ter passado a mensagem sobre o exemplo que deixa às gerações vindouras.

Apesar do silêncio, com raras excepções, da Comunicação Social, que diminuiu o impacto do nosso apelo à ética e aos princípios que através das CCTM queríamos fazer chegar ao País, temos razões para estar orgulhosos com a realização de todos os nossos principais objectivos. Roçámos a excelência.

Deixo a todos uma saudação fraterna e agradecida por me terem dado a honra de coordenar todo o esforço desenvolvido.

Lisboa, 14 de Julho de 2010
Luís Novaes Tito
Coordenador da CE das CCTM

16
Jul10

Portugal Socialista - 2010.07.02

CCTM

Portugal Socialista - Comemorativo CCTM

«Apesar de ele dizer que "não fui eu que fiz o Portugal Socialista", é na realidade a Tito de Morais que se deve "uma das principais armas de que nos servimos na luta contra o fascismo". E acrescenta: "É lícito, penso, perguntar se, sem o Portugal Socialista, o PS seria o que foi em 1 de Maio de 1974". É lícito e indubitável, a influência que o jornal exerceu como testemunho da existência da Acção Socialista Portuguesa e, a partir de 1973, do Partido Socialista.»
Marcelo Curto
Extracto do depoimento publicado neste Blog

O número especial comemorativo do Portugal Socialista dedicado a Manuel Tito de Morais que hoje se termina de publicar na Internet é a maior homenagem que o Partido Socialista lhe podia dedicar.

Tito de Morais criou esta arma em Itália para a fazer disparar em Portugal e nos núcleos da ASP no exterior, como primeira chanfalhada ao regime ditatorial português.

Com editorial do seu director, José Augusto de Carvalho, este número conta com artigos da autoria de:

António de Almeida Santos, José Sócrates, Mário Soares, J. Ferraz de Abreu, António Guterres, Eduardo Ferro Rodrigues, Amândio Silva, Ana Gomes, António Arnaut, António Coimbra Martins, António Costa, António José Seguro, António Reis, Antunes Ferreira, Duarte Cordeiro, Edmundo Pedro, Germano Lima, José Neves, Luís Novaes Tito, Manuel Alegre, Manuel van Hoof Ribeiro, Maria Carolina Tito de Morais, Maria do Carmo Romão, Maria Helena Carvalho dos Santos, Maria de Jesus Barroso, Maria José Gama, Maria Manuela Augusto, Pedro Coelho, Pedro Pezarat Correia, Vasco Lourenço e Vítor Crespo.

16
Jul10

Portugal Socialista - Edição Especial - Índice

CCTM

Portugal Socialista - Edição comemorativa do centenário de Tito de MoraisÍndice da Edição Especial do Portugal Socialista 2010.07.02

Editorial
Legado, inspiração e estímulo
José Augusto de Carvalho

Sempre em defesa dos valores republicanos e socialistas
António de Almeida Santos

Exemplo de empenho cívico
José Sócrates

Testemunho
Mário Soares

Guardião dos valores do socialismo democrático
J. Ferraz de Abreu

Representou a alma do partido
António Guterres

Um socialista sem medo
Eduardo Ferro Rodrigues

Manuel Tito de Morais, o socialista
Amândio Silva

Combatividade inquebrantável e fidelidade à ética republicana
Ana Gomes

Reabilitar o projecto socialista
António Arnaut

Lembrar e seguir
António Coimbra Martins

Um inesquecível camarada
António Costa

Firmeza das convicções e coerência na acção
António José Seguro

A força das convicções no ideário socialista
António Reis

Militante da amizade
Antunes Ferreira

Figura cimeira da luta pela liberdade
Duarte Cordeiro

Um socialista de fortes convicções
Edmundo Pedro

Um homem de princípios
Germano Lima

Artífice da edificação do Partido Socialista
José Neves

Esta viagem a Tito de Morais é uma passagem geracional de testemunho
Luís Novaes Tito

Um socialista praticante
Manuel Alegre

Um ídolo da minha juventude
Manuel van Hoof Ribeiro

A coragem de um combatente e a fraternidade de um homem
Maria Carolina Tito de Morais

Um ícone da democracia
Maria do Carmo Romão

Porque sem ideias não há convicções e sem ambas não teria havido revolução
Maria Helena Carvalho dos Santos

Tem um lugar na História do país
Maria de Jesus Barroso

Homenagear Tito de Morais é homenagear Abril e a Liberdade
Maria José Gama

Uma referência do Partido Socialista
Maria Manuela Augusto

Memória de um amigo
Pedro Coelho

Manuel Tito de Morais e o 25 de Abril
Pedro Pezarat Correia

Grande lutador pelos valores da justiça social
Vasco Lourenço

Um patriota de excepcional coragem
Vítor Crespo

15
Jul10

Legado, inspiração e estímulo - Editorial

CCTM

Portugal Socialista - Edição comemorativa do centenário de Tito de MoraisLogo que os recebi da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais, li detidamente, do primeiro ao último, os textos que dão corpo e alma à presente edição especial do “Portugal Socialista”.

De seguida, reli os depoimentos – igualmente em homenagem a Tito de Morais – também aqui dados à estampa em Outubro de 1996.

Completei a minha incursão percorrendo um livro já de folhas amarelecidas que reproduz a colecção de todos os números do “Portugal Socialista”, publicados na clandestinidade.

Tratou-se de um triplo itinerário – que vivamente recomendo aos mais jovens – de reencontro com a história, a memória, o património e os tesouros do nosso Partido Socialista. Tesouros de dedicação, tenacidade, sacrifício e entrega. E, simultaneamente, de coerência, fidelidade, fraternidade e humanismo.

São homens e mulheres cuja grandeza faz jus a que figurem na história do Partido Socialista e na História maior de Portugal. Portugueses que tudo na vida sacrificaram para que pudessem legar aos seus filhos uma terra de liberdade, democracia e justiça social.

Sem um esbirro em cada esquina, uma censura em cada voz e o risco de destruição em cada vida. Pela dignidade como estrutura essencial do homem e contra as injustiças gritantes ou sem voz.

Entre os combatentes heróicos por uma Pátria nova, indubitavelmente, avulta Manuel Tito de Morais. Cidadão tenaz, impoluto, nobre de sentimentos, para quem o homem não foi feito para vegetar na mediocridade. Não foi feito para a adaptação e a resignação. Daí que as actuais comemorações do seu centenário constituam uma justa homenagem e um oportuno estímulo.

Pela lição de vida de Tito de Morais, são comemorações que se colocam nos antípodas das que mumificam os vivos, estimulando-nos a reflectir em ordem a melhor responder às inquietações e perplexidades que nos assaltam.

Até porque, como Coimbra Martins lapidarmente deixa escrito adiante, “comemorar é partir de novo”.

O Partido Socialista é obra generosa e patriótica, decisivamente, do gesto precursor de Abril de 1964 de Mário Soares, Ramos da Costa e Tito de Morais e dos que em Abril de 1973 – Abril premonitório! – se reuniram em Bad Munstereiffel.

O Partido Socialista é um corpo social, uma comunidade de mulheres e homens livres com valores comuns que o vocacionam para se assumir como a figuração da alma portuguesa.

Inspirados em Tito de Morais e noutros obreiros de referência do Partido Socialista, saibamos remar contra a corrente para chegarmos à nascente que ambicionamos e nos identifica.

“São ideias que mudam o mundo e não o mundo que muda as ideias” como, no seu testemunho, aqui nos recorda António Arnaut.

A natureza cria as nozes mas não as parte. Tito de Morais e outros socialistas seus contemporâneos fizeram o que generosa e patrioticamente lhes cabia.

Façamos nós, neste tempo, o que nos cabe.

Com determinação e optimismo, enquanto força vital e vontade de futuro.

José Augusto Carvalho

Director do Portugal Socialista

15
Jul10

Sempre em defesa dos valores republicanos e socialistas

CCTM

Portugal Socialista - Edição comemorativa do centenário de Tito de Morais O Eng.º Tito de Morais foi uma das minhas referências políticas. É-o ainda a sua memória.

Conheci-o em Madrid, juntamente com Mário Soares, onde para os encontrar me desloquei, em pleno salazarismo. Mário Soares estava exilado em Paris, e Tito de Morais exilado em Itália. Eu advogava em Lourenço Marques, capital de Moçambique, e vinha com frequência a Lisboa, por motivos profissionais. Encontrava-me com o meu velho amigo Salgado Zenha, com Raul Rego, o Gustavo Soromenho, e os outros revolucionários do costume, que tinha conhecido por intermédio de Soares e Zenha.

O tema do encontro de Madrid foi, como sempre, o problema do Ultramar e o derrube do ditador.

Tito de Morais causou em mim uma forte impressão. O futuro viria a confirmá-la. Ele viria a editar e difundir o “Portugal Socialista” e, mais tarde, esteve entre os fundadores do Partido Socialista.

Reencontrámo-nos na exaltação dos cravos, quando ele e Mário Soares regressaram, livres, a Portugal. Eu estava em Lisboa quando a liberdade eclodiu, vivi a exaltação de ser livre, pela primeira vez, quarenta e oito anos depois de ter nascido e, pouco depois, regressei definitivamente a Portugal para integrar o primeiro governo provisório.

É inimaginável a alegria com que, na cerimónia da posse, pude encontrar a meu lado os meus velhos companheiros de luta Mário Soares, Salgado Zenha e Raul Rego. Além do meu amigo Prof. Adelino da Palma Carlos, como Primeiro-Ministro.

Como entrei para o Governo na qualidade de independente, o PS pôde contar sempre com um voto a mais nas reuniões dos sucessivos governos provisórios – nada menos de cinco – em que participei antes do primeiro governo constitucional. Neste e nos demais de que fiz parte, já votei como militante do P.S.

E foi nos encontros partidários e pessoais, não só como camarada, mas crescentemente amigo, que melhor conheci e crescentemente admirei o Manuel Tito de Morais. Foi para mim, sobretudo, um exemplo de dignidade pessoal. Como lutador político, e sobretudo como agente, foi sempre um corajoso exemplo de aprumo pessoal, rigor funcional, e exigência ética.

Nas reuniões do partido, esteve sempre do lado do respeito pelos princípios e os valores republicanos, democráticos e socialistas. Debalde se lhe oporiam exigências do pragmatismo e da realidade. Foi sempre, nesse sentido, um fervoroso cultor do pensamento utópico. Nunca cultivou a ambição de cargos ou se bateu por eles. Bem ao contrário, rejeitou alguns. No partido foi tudo o que quis ser. Pertenceu sempre aos mais altos órgãos. Fora dele, abriu apenas duas excepções: aceitou ser Secretário de Estado e Presidente da Assembleia da República.

Diferente terá sido a satisfação que um e outro desses cargos lhe proporcionaram. Tito de Morais não era um executivo. Se tivesse querido sê-lo, não lhe teriam faltado oportunidades. Na administração pública e fora dela. Mas não quis.

E não quis, entre outras razões, porque nunca o seduziram as altas honrarias e remunerações, ou mesmo a riqueza em si. Viveu modestamente até ao fim.

Onde terá bebido essa sua tão sedutora personalidade? Decerto nos princípios de ética política a que sempre foi fiel. Mas também nos genes e nos exemplos que herdou de seu pai, um ilustre oficial da Marinha que foi uma figura destacada da revolução republicana de cinco de Outubro de 1910. Bateu-se a partir de barcos surtos no Tejo, e é sabido que, o que mais cedo fez fugir o jovem rei D. Manuel, que não tinha nascido para actos de coragem, foi a bombarda com que um desses barcos logrou atingir o quarto de dormir do rei no Palácio das Necessidades. Em razão disso tomado de pânico, partiu para Mafra, daí para Ericeira, e daí para o exílio, no iate real que tinha estado na origem de um dos escandalosos adiantamentos não pagos à Casa Real, que tanto deterioraram a imagem do rei D. Carlos. Tito de Morais terá herdado de seu pai a mística de aprumo cívico e ético que foi a dominante de toda a sua vida.

Passa este ano o centenário de Manuel Tito de Morais. O País e a República têm para com ele umas dívidas de exemplar cidadania. E se saldássemos essa dívida?

Como seu camarada e amigo; como venerador da sua memória e do seu exemplo, eu veria isso com inultrapassável satisfação. Sei que a Câmara Municipal cogita num busto. Sei que a Assembleia da República programa também uma homenagem. Esses actos são justos. Mas não serão pouco?

António de Almeida Santos
Presidente do Partido Socialista

15
Jul10

Exemplo de empenho cívico

CCTM

Portugal Socialista - Edição comemorativa do centenário de Tito de Morais No centenário do seu nascimento, neste ano também centenário para a República, é tempo de reencontro evocativo com um republicano e socialista de têmpera como era Manuel Tito de Morais. E, por isso, quero deixar o meu testemunho sobre aquele que foi um dos principais obreiros do Partido Socialista. Um homem cujo empenho na causa socialista remonta a esses longínquos tempos em que ele, Mário Soares e Francisco Ramos da Costa fundaram a Acção Socialista Portuguesa, esse precioso embrião de um dos mais importantes pilares da nossa democracia, o Partido Socialista.

Conheci-o como homem de fortes convicções, determinado, lutador e corajoso, que viu a sua vida, nesses tempos difíceis da ditadura, transformar-se num permanente roteiro de exilado em luta pela liberdade do seu País. A ele devemos muito do que representa o nosso PS, porque ele sempre esteve lá, onde se decidiam os difíceis caminhos da liberdade e da democracia. Caminhos que, primeiro, a ASP e, depois, o PS sempre ousaram trilhar com a nobreza de alma dos seus fundadores.

Fundador e Presidente do PS, Presidente da Assembleia da República, deputado, constituinte e militante apaixonado da causa pública, Manuel Tito de Morais deixou-nos um testemunho exemplar de empenho cívico, de coerência moral, de espírito lutador e companheirismo solidário.

É por isso que, no Centenário do seu nascimento, o evoco com grande emoção e gratidão, em nome do PS e de todos aqueles que amam a liberdade e a democracia. E é uma coincidência gratificante que o possamos lembrar precisamente neste ano de evocação da também centenária República, dos seus ideais e dos seus valores de cidadania.

Valores que, afinal, também sempre foram os seus.

José Sócrates
Secretário-geral do Partido Socialista

Pág. 1/5

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

contactos

Largo do Rato nº 2
1269-143 Lisboa
cctm@sapo.pt
cctm@ps.pt

Links

redes sociais

blogs da casa

outros blogs

outros sítios

institucionais

comunicação social

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D