Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CCTM

Comemorações do Centenário de Manuel Tito de Morais

01
Abr10

Homem profundamente leal aos amigos

CCTM

Luís Filipe MadeiraConheci o Tito de Morais logo após o 25 de Abril, quando em 1974 aderi ao PS.

As primeiras impressões foram ditadas pela sua figura, austera e grave, de velho combatente republicano e socialista, com o grosso bigode grisalho e "fumado". Homem profundamente leal aos amigos, foi solidário com Mário Soares em circunstâncias difíceis da vida do partido. Mas não deixou nunca de manifestar as suas reticências relativamente a certas estratégias.

Relevo três situações que ilustram o que atrás fica dito:

A primeira ocorreu no início de funções do primeiro governo constitucional.

Na qualidade de secretários de Estado participámos ambos num Conselho de Ministros em que se discutiu a acção diplomática a levar a cabo pelo 1º Ministro no estrangeiro. Aonde devia ser a primeira visita? Cunha Rego propôs que fosse ao Brasil (ainda nas teias do poder militar). O Manuel Tito, apoiado por mim, propôs Angola.

Foi o Brasil a opção com todos os equívocos (relativos a Angola) que se seguiram.

A segunda verificou-se aquando das acções que conduziram à formação do II Governo (PS/CDS).

Os renitentes foram convocados a S. Bento para serem convencidos a pôr de lado as reticências. Chamados foram mais de 20. Que me lembre só o Manuel Tito recusou. Talvez não tivesse razão, mas as suas objecções de consciência (e de longo prazo) não cederam.

A terceira teve lugar em 1987 após a Moção de Censura que levou à demissão do governo minoritário do PSD.

Na sequência, todas as forças políticas que aprovaram a censura (PS, PRD, PCP e CDS) manifestaram ao PR a sua vontade de apoiar a formação (viabilizando-o por um período razoável) de um Governo minoritário PS no quadro parlamentar existente. Na crispação que se seguiu, numa minoria do PS, à eleição de Vítor Constâncio para S.G., o PR preferiu dissolver a AR, levando às maiorias absolutas do PSD que se seguiram. Nas hostes socialistas mais próximas do PR só Manuel Tito de Morais manifestou publicamente o seu desagrado, o que lhe valeria alguns contratempos futuros.

Outras estórias poderiam ser aqui descritas, mas isso levar-nos-ia mais longe do que agora convém.

Luís Filipe Madeira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

contactos

Largo do Rato nº 2
1269-143 Lisboa
cctm@sapo.pt
cctm@ps.pt

Links

redes sociais

blogs da casa

outros blogs

outros sítios

institucionais

comunicação social

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D